O Resultado Fala Por Si Só 1

O Resultado Fala Por Si Só

Uma inteligência artificial e uma impressora 3D exibem esses dias a tua ópera prima na galeria Looiersgracht sessenta de Amesterdão. Parece um Rembrandt autêntico, entretanto não é nenhum dos retratos sombrios que pintou o mestre do Barroco. Inscrevem para uma inteligência artificial em um concurso literário.

trata-Se de um projecto conjunto entre o ING, a Microsoft, o colégio Técnica de Delft e os museus Mauritshuis e Rembrandthuis. Historiadores da arte, cientistas e engenheiros dedicaram os últimos 18 meses a ensinar a um computador para ser O Próximo Rembrandt. O resultado é um retrato original que imita à perfeição dos traços e o estilo do artista mais significativo dos Países Baixos.

Se baseia em 168.263 fragmentos de pintura das 346 pinturas do autor. Combinando um algoritmo de reconhecimento facial com um software de aprendizado profundo, os desenvolvedores conseguiram discernir e fichar os padrões mais comuns da obra de Rembrandt, desde a sua constituição até as proporções dos traços faciais.

A inteligência artificial aprendeu a pintar um nariz ou boca, como faria Rembrandt. O Próximo Rembrandt foi impresso em 3D com mais de 149 milhões de pixels e em várias camadas para parecer uma pintura a óleo. O consequência fala por si só.

  • Um Estrutura lógica de pacotes 1.Um Componentes installer
  • O chat é mais fácil de usar
  • 1994: 257.Quarenta e quatro (8,7%)
  • Analisadores de fala, pra amparar na audição de surdos profundos
  • Universidade de coimbra

Mas quando falamos de Internet, falamos de um “espaço” abstrato; na verdade de conexão de redes telemáticas ao redor do planeta, oferecendo sugestões e os mais diferentes serviços. Viajamos por lugares que estão a toda a hora interligados. Martha Gabriel fala de ‘cibridismo’, uma nova esfera onde o on e o off se confundem. Como estão modificando nosso comportamento dos telefones móveis, tablets e dispositivos com acesso à Internet?

A locative media permite que as pessoas produzam e distribuam infos, em mobilidade, a partir dos lugares do espaço urbano. Não é o detalhe que chega e vai para uma ‘Matrix” lá em cima, contudo infos que tem sentido pra baixo nesse lugar e nesta hora. As pessoas estão procurando, com estes novos meios, o que a todo o momento procurou: ter significado.

A ligação ambiente, da proximidade, da identidade, da memória, da tamanho social e móvel (visualizar o meu manifesto sobre isto esta grandeza neste local), é o que dá um significado. No primeiro momento de internet, navegar em um universo de fatos e acesso a coisas distantes era a única coisa que fazer. Agora estamos pela fase da hiperlocalización da detalhes, consumindo, produzindo e distribuindo dicas com mobilidade, sobre o assunto os lugares por onde passamos ou onde vivemos.

Author: