Como Você Gosta Mais Da Macarena? 1

Como Você Gosta Mais Da Macarena?

�Como não irei me lembrar do dia em que voltei a vê-lo, depois de tantos anos, sendo eu um jovem? Não acredite, meu amor, que estas coisas são esquecidas. Lucías tu uma clara manhã de verão, de auroras, que não mentem, destas manhãs de luzes brandas que te fazem gloriosa. A iluminação se tinha levantado por volta das 6.

Recém tinha determinado e em teu rosto a calagem se desenhava a doçura dos corpos quentes. Eu vestia de branco, tinha 20 e seis anos a menos e o coração a médio publicar. Não podia sequer imaginar que um dia fosse a marcar em um fedelho que se apresentava diante de ti com uma mala de viagem, três quadrinhos e o rosto atordoado por uma longa noite, de trem, desde o trem. Eu acreditei, ao te olhar, que o nosso estava condenado a ser para todo o sempre um amor de perfil, por causa de não me sentia com forças vai ser mais o espiar, esse adocicado tiroteio de seus olhos.

Só tinha uma vergonha apocada e um vento que me esparcía por toda a alma. Eu queria falar tantas coisas! Se por sorte, enfeitados por aqueles andorinhões, que se empeñaban em fazer hieróglifos no céu, no entanto um pouco mais. Começava desse modo a nossa história pequena, que nós sabemos eu e você. Me acomodei em um de seus cantos em que a existência passa lenta, a velocidade de óleo, disposto a assombrá-lo a cada noite a partir das trevas de qualquer travessa.

  • Rock Band Blitz (2012)
  • 2001 Appalachian Journey (Sony 66782)
  • Casa da Criança
  • Mariah Carey fornece à claridade a gêmeos, ao som de tua música

Eu propus a te adorar desde a febre que me consumiu, desde o grosso da multidão que te ama, desde o silêncio ensurdecedor dos meus pulsos, por intermédio da lágrima, e o choque. Foi quando eu soube que tinha nascido pra você. Que neste momento nada teria sentido sem você. Que só com o favor de um espiar eu poderia criar um búcaro de rosas.

Que de repente desapareceu tanto pó acumulado nos lábios. Você Me beijou na discreta e quedamente uma dessas noites em que o amor te faz enorme e eu já tenho desde desta maneira, o coração vestido de festividade enquanto se irão desprendendo-se, um a um, todos os meus pétalas de cinzas.

Hoje, meu afeto, depois dos anos, temos tantos golpes que prontamente nem ao menos de pé cabremos na morte. Às vezes eu penso, como argumentou o poeta, que só nos inexistência a miséria, para ser invencível. Contudo, continuo a amándote com a mesma imprudência de a todo o momento, como se fores só minha, como se ninguém mais pudesse te amar com fúria, os tímidos ou a imperícia dos adolescentes.

Ainda mantêm uma tortuosa senda de sentires que me leva, inevitavelmente, diante de ti. E diante de ti estou, como aquele outro dia em que o sopro de sua graça atingiu meu rosto adormecido. Quando uma criança está rezándole para a lua. Nem a si a multidão. PREFEITURA E REVERENDÍSSIMO SENHOR ARCEBISPO, EXCELÊNCIA SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA, EXCELENTÍSIMAS E ILUSTRÍSIMAS ATORIDADES, ORDEM SENHOR PRESIDENTE E DO CONSELHO SUPERIOR DO CONSELHO GERAL DEHERMANDADES E CONFRARIAS, SENHORAS E SENHORES, SEVILHA, CONFRADES E AMIGOS. Devo começar por devolver a minha apresentador, Don Juan Ortega, o mesmo afeto e estima, que se transformou em suas expressões. Obrigado querido João. És um senhor e honrar esse cavalete como honras da política com a tua presença.

Hoje, que faltam poucos dias pra que comece a melancolia, debruço neste varanda de madeira pra descrever o que vós sabeis mais do que eu. Não terão caído umas luas, no momento em que a claridade do meio-dia cachee as túnicas dos primeiros nazarenos.

A melancolia nasce pela alma como uma azalea e resguarda seus disimulos em um restabelecimento do coração. Começa a ampliar arapucas do verso e acaba por abrazarnos como um castigo inevitável. Tendo fechado as portas da Quaresma, o sol começa a digitar em telhados tuas lições de Primavera.

Em pouco mais de 6 dias, o tempo começará a ser descontable, logo que se dê para a avenida essa visão aérea de Deus, que é uma confraria. Em um pouco mais de seis dias, o nazareno, voltará para a sua vertigem de solidão, a tua fechamento de tela, seu sonho de olhos entreabiertos. O nazareno é um choro de estrela que expurga penas de cera e penitências de asfalto. Igual que torna a paisagem com teu avental de flores, torna-se o nazareno, a abrir caminhos pro choro definitivo. E marcharemos pra Glória, por um caminho de cera.

Author: